Clube Náutico Almirante Barroso, o retorno do nosso primeiro adversário

O SouJec botou o pé na estrada e foi até Itajaí, conhecer a casa e o projeto de reativação de um dos clubes mais tradicionais do futebol catarinense, o Clube Náutico Almirante Barroso que aliás, é o nosso primeiro adversário no Catarinense 2017.

Fachada do estádio Camilo Mussi.

Antes de tudo, um pouco de história. O clube foi fundado em 1919 após alguns sócios do Clube Náutico Marcílio Dias terem um desentendimento interno e resolverem sair e fundar seu próprio clube, o Clube Náutico Almirante Barroso. Inicialmente o clube era dedicado ao remo, o futebol veio só em 1949. Em 1956 o clube constrói seu estádio e sua sede social no atual endereço. O futebol se mantém até 1971 ano em que é encerrado, o clube permaneceu em funcionamento desde então com as outras atividades de um clube social e em 2016 o futebol é reativado com a parceria com empresários da região de Penha e com o clube conquistando o título da série B do catarinense.

Nas próximas linhas vou descrever um pouco do que o nosso primeiro adversário tem de interessante em termos estruturais e também em termos futebolísticos.

Bom em termos estruturais, o clube tem uma sede social equipada com salão de festas, piscina, muita área construída com salas para prática de tudo o que você imaginar (aulas de karatê, dança, festas, reuniões e tudo o mais). Há também uma academia, um restaurante e a lojinha do clube, tudo anexo ao estádio. A construção é super nostálgica, você sente que está em algo que foi construído lá na década de 50, mas lá, o “velho” se mistura com o ‘novo” e funcionando lá dentro do Camilo Mussi tem uma franquia da escolinha de futebol do Ronaldo, a R9. Como está anexo ao clube, ela funciona como uma espécie de categoria de base do Barroso. O estádio é pequeno e no dia em que estivemos lá havia somente a arquibancada coberta que cabem umas 1160 pessoas. A informação que nos foi passada pelo supervisor de futebol da equipe, Rodolfo Marques, é que para o catarinense haverá uma arquibancada metálica atrás de um dos gols que será destinada para a torcida visitante. A capacidade desta arquibancada será para 220 pessoas. Rodolfo Marques ainda comentou que o clube tem planos para aumentar permanentemente a capacidade estádio. É possível perceber que o clube está investindo em estrutura, além da construção de novas arquibancadas eles estão construindo um setor mais confortável para os torcedores mais abastados, uma espécie de camarote que ficará ao lado do campo e no mesmo nível dele e contará com serviço completo de bar e cozinha. O Barroso sabe como chamar a atenção do seu sócio.

Bom, além disso não é novidade que o clube disputa seus jogos em gramado sintético. O campo principal do Camilo Mussi é de grama sintética e ele se transforma em quatro quadras de futebol 7 quando não há jogo nem treino. Como o clube já possui duas quadras de futebol society, anexas ao complexo, transformando o campo principal em quatro quadras, o lugar conta com 6 campos que podem ser alugados pelos sócios do clube. Esses sócios podem utilizar toda a estrutura que o clube oferece.

Nossa opinião sobre essa parte estrutural do clube é que o time tem uma excelente ferramenta em mãos para se tornar forte, uma vez que ele não oferece ao sócio só o futebol como produto, oferece também toda uma série de atividades e traz o sócio e sua família para dentro do clube. Além é claro de ter um belo patrimônio. Aqui tem um detalhe interessante. Segundo o técnico da equipe, Renê Marques, por semana o Camilo Mussi recebe mais de 15.000 pessoas. Bela média de público né?

Bom, vamos falar sobre futebol agora. O clube tem um projeto de reativação do futebol bem estruturado, tanto é que no seu primeiro ano já colheu um fruto, o título da série B do catarinense. Ele é tocado pelo boa praça, Renê Marques, técnico da equipe e tem auxílio do igualmente gente boa e seu irmão, Rodolfo Marques supervisor de futebol. Além disso tem todo o pessoal do departamento técnico, preparador físico, analista de desempenho, enfim, tudo o que um clube de futebol precisa para ter bons resultados.

Uma coisa ficou bem clara para nós na nossa visita. O Barroso tem os pés no chão, sabe onde pode chegar e o que pode fazer para conseguir isso. Manteve a base do ano passado, que segundo Renê Marques é fundamental para um bom trabalho e iniciou sua preparação na frente de todos os outros clubes, no dia 15 de dezembro. Outra coisa óbvia é que o time de Renê está preparado para infernizar os adversários quando jogar em casa usando sempre como trunfo a grama sintética.

Sobre o gramado, algumas ressalvas e alertas devem ser feitos. O piso é diferente daquele que você está acostumado a jogar a sua pelada semanal, ele é mais macio, mesmo assim também não é aquele que simula a grama natural como o utilizado na Arena da Baixada. Percebemos algumas irregularidades no piso, algumas pequenas depressões e emendas, além de ele ter a região central do gramado no sentido longitudinal do campo ligeiramente mais alta que as demais regiões do campo. Torções e outras lesões leves devem ser a preocupação do Tricolor além da velocidade do jogo e da bola serem diferentes. Segundo Renê Marques é mais fácil para quem joga no sintético se adaptar a grama natural do que quem joga em grama natural se adaptar ao sintético. Outro detalhe é a temperatura do gramado, ele aquece bem mais que o gramado natural. Abre o olho JEC.

Clique aqui e confira também na íntegra o vídeo com o bate papo com o atacante Schwenck e a galeria de fotos da nossa visita ao Camilo Mussi.

 

Bom, agora é aguardar a estréia do Tricolor do norte no dia 29 contra o Clube Náutico Almirante Barroso, nesse jogo que marca a volta desse tradicional time a primeira divisão do futebol catarinense. Nós estaremos lá para conferir de perto 😉

Nossos mais profundos agradecimentos a Marcos Gama, diretor de futebol; Rodolfo Marques supervisor de futebol; Renê Marques técnico e toda a equipe do Clube Náutico Almirante Barroso que nos deram toda a liberdade e nos atenderam prontamente.

Ficamos felizes com o retorno do Barroso ao futebol e a primeira divisão do campeonato catarinense e torcemos para que o projeto dê certo e o clube consiga encontrar o seu caminho, tudo isso para continuar servindo sócios e comunidade com o trabalho social que desempenha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *