JEC e suas eternas contratações. Parte 1/5

Será que dá pra mensurar o quão errado se contrata no JEC?
Este que aqui vos fala está cansado de acreditar. Não no clube, mas sim nas pessoas que o comandam.
E um clube mal gerido, se tratando de futebol, é um clube que gere mal seu futebol, obviamente.
Quer coisa pior que o dedo dos cartolas tricolores para contratações?Torcedor do JEC é calejado em ver contratação duvidosa sendo apresentada.

É claro que não se acerta sempre e também, o “dar certo” também pode ser de opinião pra opinião. Mas vamos ter um princípio:

-Jogadores que foram muito bem, ou seja foram titulares muitas vezes, um “deu muito certo” – Verde Escuro.
-Vamos considerar que jogadores que tiveram algum momento de titularidade no time, ou que, adentraram bem em jogos como reserva considere um “deu certo”- Verde Claro. Sem nem entrar em questão se eles realmente eram bons jogadores.
-E aqueles que foram mal, um “não deu” – Vermelho.

Pesquisei desde 2012. Pois foi o primeiro ano da volta a Série B.
Os números são assustadores, os jogadores também.
A taxa de acerto da diretoria nem se fala. Vamos ver e debater.

Contratações do JEC em 2012
Contratações do JEC em 2012

Alguém lembra do Goleiro Jair fazendo uma lambança lá no Rio Grande do Norte? Grandes tempos…
As contratações de 2012 do JEC foram salvas por dois jogadores que vieram de empréstimo: Maurício e William, que foram muito, muito bem.
Maurício esse que queria renovar mas o Joinville não quis pagar 15 mil a mais. Hoje está no Spartak Moscou depois de ter passado por Sporting e Lazio. Mas não entraremos mais em demissões polêmicas ou dispensas, apenas contratações (Nem mesmo ficar com Jean Carlos e dispensar o Bruno Rangel? – Não, não vou falar disso).

William foi extremamente bem, mesmo sacrificado alguns jogos na lateral esquerda.
Considerei também uma ótima (re)contratação o Tiago Real, pois ele estava muito bem até a sua saída ao meio do Campeonato.

Consideradas boas: Jussani, Leandro Carvalho, Carlos Alberto, Marcinho (falei que qualidade técnica podia ser deixada de fora), Alex e Adaílton. Todos esses ou foram titulares algum tempo, ou entraram bem durante partidas.

Mas em números: O 2012 do JEC em contratações tiveram uma média de erro de 62,5%, ou seja, a cada 3 contratações o JEC errou 2. Péssima média. Foram contratados 24 jogadores – dois times praticamente.

O que mais surpreende é que dos contratados, pouquíssimos tiveram vida pós-JEC. Mostrando que realmente não tinha qualidade pra uma Série B. Apenas Diego Jussani (CRB), Maurício (Sport/Lazio/Sporting/Spartak), William (América/MEX – Futebol Coreano), Thiago Real (Palmeiras/Bahia/Vitória/Goiás), Vinícius (que nem jogou pelo Clube -Náutico/CAP/Fluminense) e Adaílton (Paraná/Japão) jogaram em algum nível superior ou semelhante a divisão do JEC em 2012.
Apenas 6 em 24 – 25% de Jogadores. Um número muito ruim.

Obviamente devemos levar em conta jogadores como Carlos Alberto e Leandro Carvalho, que já estavam com uma idade um pouco avançada, mas mesmo assim é um péssimo número. Mostrando o dedo ruim dos gerentes de futebol de 2012 para contratações. (Léo Franco/Nereu Martinelli).

Sobre o ano, os poucos que deram certo juntaram-se aos que estavam aqui (Lima, Eduardo, Ivan, Ricardinho…) e formaram uma boa equipe, que atingiu seu objetivo primário (não cair) e quase subiu.

Essa foi a parte 1. Até 2013 e o ano das contratações “galáticas”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *