A série C está perto e não podemos virar um Fortaleza

Hoje, na 24ª rodada do Campeonato Brasileiro da série B, o Joinville é o penúltimo colocado na classificação. Estamos a seis pontos do primeiro fora da zona do rebaixamento. O departamento de matemática da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) afirma que o Tricolor é segundo time com mais chances de ser rebaixado, com 78%. Pior que o JEC somente o Sampaio Corrêa.

Quem olha assim pode pensar que cinco pontos é pouco para tirar em 13 rodadas. Mas outro dado mostra a dificuldade dessa tarefa. O JEC é pior mandante do campeonato.  São apenas duas vitórias, oito empates e três derrotas. Quem quer ficar na série B não pode ter uma campanha dessa em casa. Para escapar, o JEC terá que fazer o que não fez até agora. Muito difícil. Não é impossível, claro, mas é inevitável olhar a série C bem de perto.

Olhando a série C tão de perto bate um certo desespero. Na última vez que caímos, foram sete anos para voltar. O Fortaleza, clube de porte parecido com o do Joinville, está amargurando sete longos anos na série C. Algumas tentativas bateram na trave e o fato é que é muito difícil voltar.

O rebaixamento tornará muito mais difícil a conquista de patrocínios, afastará torcedores do quadro de sócios, reduzirá as vendas das Tocas do Coelho, cortará verbas de TV e trará um prejuízo enorme para nossa autoestima. Saímos de uma série A e em dois anos podemos estar voltando para a terceira divisão.

A situação é grave. Mas parece que não o suficiente para a diretoria ligar o sinal de alerta. Se a queda se confirmar, uma reformulação será urgente, mas não só de elenco, mas de mentalidade. A promessa para este ano era utilizar o Catarinense como laboratório. Não foi o que aconteceu. Estamos até hoje trazendo jogador. Passamos da metade do campeonato e não temos um time. Ainda este ano é necessário criar uma política de contratação série e valorizar a base, fazendo planejamento sério.

Se isso não acontecer, corremos sério risco de nos tornamos um novo Fortaleza, passando duros anos da série C.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *