A Bomba-Relógio está Armada

Noite de véspera de feriado. A preguiça bate, dar aquela relaxada, sem preocupações. O Joinville seguiu à risca essa lógica na noite desta quarta, véspera do feriado de Corpus Christi, em Salvador. Um time preguiçoso, inofensivo no ataque e com opções nulas de criação enfrentou a boa equipe do Bahia na Fonte Nova. A derrota pelo placar mínimo saiu barato.

No primeiro tempo, apenas uma chance de gol. Em jogada de contra-ataque, Cléo Silva (o símbolo e a personificação da má fase do JEC) ficou cara a cara com o goleiro Marcelo Lomba. A falta de recursos do atacante tricolor não permitiu que a jogada terminasse em gol tricolor. Esta foi a ÚNICA ação ofensiva do JEC no jogo inteiro.

CLEO_JEC_BAHIADo outro lado, um Bahia que jogava menos do que era capaz, mas ainda assim com um pouco mais de organização e criatividade, levando jogadas de perigo e uma bola na trave no primeiro tempo. A intenção do JEC no jogo – claramente, apenas se defender – deu certo no primeiro tempo.

Veio o segundo tempo e o presente de Diego para o Bahia. Aos 9 minutos, depois de duas defesas de Agenor (já falaremos dele), Diego ao tentar afastar chutou em cima do volante Danilo Pires, do Bahia. A bola sobrou para Hernane Brocador. Centroavante de área faz o que ele fez: no lugar certo, mandou pro gol. Que falta faz um bom atacante!!!

Depois disso, foram (com os acréscimos) 40 minutos de agonia. O Joinville NÃO LUTOU pela vitória. Continuou com a mesma postura medrosa, priorizando não tomar gols a atacar. Esta tem sido uma máxima do JEC nos jogos fora de casa. Sem finalizar ao gol, e com o Bahia administrando bem o jogo, números finais, 1 a 0 para o tricolor baiano.

A bomba-relógio está armada. A crise, que já dá claros sinais de presença, irá se instalar de vez em caso de resultado negativo no sábado contra o Londrina – outro time organizado, com um bom centroavante (Keirrison) e que fez boa partida contra o Náutico nessa terça. Outros fatores além do que ocorre em campo contribuem para esse cenário, e comentaremos mais sobre estes assuntos em outros posts. Mas é fato que essa postura medrosa, e esse esquema de jogo, que principalmente em termos ofensivos não tem dado certo tem que ser alterado. É necessário encarar cada jogo como uma decisão. O objetivo ainda tem que ser o acesso. O JEC não pode esperar o objetivo ser a luta contra o rebaixamento para agir. Tem que se movimentar já.

Agenor

A71X8678-v-745x497Tudo indica que foi a última partida do goleiro Agenor com a camisa do JEC. Ao fim do jogo, o atleta deu entrevista em tom de despedida. O goleiro era um dos pilares e um dos únicos jogadores acima da média no elenco tricolor. Não sai com status de ídolo – afinal, não ganhou títulos, amargou um rebaixamento e não jogou tempo suficiente para criar maior identificação com o clube. Mas, neste pouco menos de um ano em que ele foi titular da meta tricolor, provou que é um grande goleiro e, por isso, será lembrado

Quanto ao futuro na meta tricolor, temos no elenco Oliveira, titular no título catarinense (em campo) de 2015, e Jhonatan. Oliveira deve assumir a titularidade nas próximas partidas. É um goleiro experiente (34 anos), que fez bom campeonato paulista pelo Linense, e que está à altura do time hoje. Suas atuações, e eu diria até, a campanha do Joinville nos próximos jogos, irão mostrar se precisamos de mais um goleiro. Mas é hora de apoiar e abraçar Oliveira. Ele já mostrou, em 2015, que pode ser titular desse time.

CONCLUINDO

Um time passivo em campo se reflete na arquibancada. O desânimo e o baixo público são reflexos do que o time entrega. Porém, é hora da torcida tricolor mostrar que não está contente, mas que permanece ao lado. Sábado, contra o Londrina, a torcida deve cobrar, pressionar, mas apoiar e empurrar esse time, mesmo que os jogadores não mereçam. Sábado é dia de Arena!!! Elencos passam e o clube fica. Ainda é cedo para entregar os pontos.

O time tem que encarar a partida como uma final. Queremos raça, sangue no olho, vontade, entrega. Ainda é possível.

Avante Joinville!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *