A festa nas Arquibancadas não pode Morrer

Essa semana, em nota oficial, a Torcida Organizada União Tricolor alertou que, em reunião com a Polícia Militar, a TO – e consequentemente, toda a torcida tricolor – não pode entrar na Arena Joinville com os seguintes itens:

– Extintores coloridos
– Papel picado
– Bonecos de adesivo
– Bambus para bandeira
– Balões e Papel Higiênico
(Faixas de TNT também haviam sido proibidas, mas foram liberadas depois de pedidos).

O futebol como espetáculo é muito mais do que apenas o jogo nas quatro linhas. É paixão, e o torcedor é quem move esse amor. A final deveria ser o momento da celebração máxima, da festa, o ápice, “O” momento especial. Uma festa com tudo o que tem direito. Daquelas que não se esquece, que faz o menino que vai com o pai pro estádio se apaixonar ainda mais pelo futebol.

A PM de Joinville, com essa proibição, impediu grande parte da festa. Impediu o brilho dos olhos do garoto na entrada em campo. A emoção, a lágrima nos olhos, o impulso antes do apito inicial. O futebol de verdade, que em toda a América do Sul é marcado pela festa da sua torcida e o espírito de raça em campo, deixa ainda mais de respirar. Vence o futebol moderno, elitizado, “teatro”, que impede que o torcedor faça o que mais gosta: torcer com paixão.

Festa torcida 2

A alegação é que os produtos são inflamáveis e que podem machucar alguém (papel picado, senhores? Bonecos de adesivo? Balões? É sério isso?). Se for por isso, guardanapos, embalagens de pipoca, roupas, calçados também deveriam ser proibidos, o que seria absurdo. Brincos, anéis, óculos podem virar armas. Não é difícil notar o tamanho do absurdo! Ainda há tempo para reverter essa situação. O bom senso ainda pode prevalecer. O papel da PM é prover a segurança do cidadão. Mas isso não pode impedir que ele acesse a praça esportiva com itens tão inofensivos, como balões e papel picado, por exemplo. O torcedor que acompanha os jogos do JEC na Arena deve ser tratado, por regra e não por exceção, como ele é: alguém do bem, que vai para torcer e fazer festa. Não tirem a alegria das crianças em poder participar dessa festa. Não tirem a alegria do torcedor de poder saudar o seu time com todos os elementos possíveis para fazer, da final, uma festa inesquecível.

Temos certeza que a torcida do Joinville continuará fazendo a sua parte como pode: na recepção do ônibus na Inácio Bastos, cantando e apoiando os 90 minutos, sendo o 12º jogador, fazendo o vento norte soprar ainda mais forte e contagiando nossos atletas a darem seu melhor. Mas, repito, ainda há tempo do bom senso prevalecer e termos uma festa ainda maior.

E que o futebol possa ser vivido na sua essência: com espetáculo em campo, nas arquibancadas, com paixão e sem violência.

#ClimaDeFinal #SouJECnaDecisão #SCéNossa #JECdeTodos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *