Preço da mensalidade do sócio será mantido em 2016: Abusivo ou na média?

O ano de 2015 passou, o JEC foi rebaixado e a mensalidade para os sócios vai continuar a R$ 80, notícia confirmada ontem pela diretoria. Abaixo, Yan Pedro e Guilherme Luiz comentam sobre a notícia que vem gerando polêmica nas redes sociais.

ABUSIVO
Por Yan Pedro

É um valor absurdo para a atual situação do clube, que joga em 2016 o Catarinense, a Copa do Brasil (se seguir o padrão dos últimos anos, apenas uma partida em casa) e a competição mais importante e prioridade no planejamento, a série B.

A manutenção em R$ 80 parece ser mais um erro de cálculo da diretoria do Joinville. A mesma que superdimensionou o ingresso para a série A do ano passado (R$ 100) e teve que fazer seguidas promoções.

Manter o valor de 2015 pode resultar numa debandada dos sócios, sim. Poucos estão com dinheiro sobrando em casa. Reduzir para R$ 70 seria mais justo, tendo em vista que há dois anos, quando subimos, a mensalidade era de menos de R$ 60. Não é muita coisa, é verdade. Mas é simbólico. Diminuir o valor demonstraria respeito com o sócio, que ajuda tanto o clube e, no último ano, teve tantas decepções.

Segundo o ranking do Movimento Por Um Futebol Melhor, o Joinville tem mais de 10 mil associados. Quantos vão permanecer até maio (provavelmente sem o título do Catarinense), quando começa a série B?

NA MÉDIA
Por Guilherme Luiz

É bem verdade que em tempos de recessão econômica não é fácil manter-se sócio de uma instituição como o Joinville Esporte Clube, tendo em vista o valor da mensalidade comparado ao pífio ano que passamos.

Este que vos fala fez uma breve pesquisa e constatou que – na mesma modalidade que o Nasceu Campeão – só um clube cobra menos do seu torcedor, e é o Figueirense (R$ 60). Os demais clubes cobram o mesmo preço (Chapecoense, R$ 80) ou mais (Avaí, R$ 100 e Criciúma, R$ 110). Ressalto que os outros times de Santa Catarina não deveriam servir como parâmetro, visto que na opinião deste modesto comentarista, a Arena Joinville não está no nível de qualidade que estes proporcionam (o Heriberto Hulse é coberto integralmente, por exemplo) e sequer pertence ao Joinville (com exceção da Chapecoense, os demais possuem seu próprio estádio).

No entanto, o valor atual de R$ 80 é importante demais ao Joinville. O Tricolor norte-catarinense é com certeza o que menos recebe apoio do empresariado local, o que significa que a Diretoria precisa de dinheiro se quiser manter contratações de alto nível e sonhar em acesso novamente sem prejuízo. Isso faz parte de uma política de responsabilidade fiscal que é muito positiva, para que o JEC não fique nenhum dia atrasando salários, como o Avaí já cansou de fazer, e isso ajuda a atrair bons jogadores para cá.

E não é só isso. Além do valor poder ser “ressarcido” caso os descontos do mês do Clube do Coelho e do Movimento por um Futebol Melhor ultrapassem o valor da mensalidade – o que não é difícil acontecer – o JEC lançou no fim do ano passado uma plataforma que reconhece o esforço dos sócios e promete valorizar ainda mais o comprometimento do Tricolor, sendo uma espécie de clube de pontos onde cada pontuação dá direito a troca por bermudas, camisetas e até uma viagem com a delegação tricolor para uma partida fora de casa.

E aí, conta pra gente, o que você achou do preço da mensalidade? Vai ser sócio do Joinville esse ano? Por quê?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *