WP7, até que enfim!

Willian Popp
O Popp não poupa ninguém! (Foto: JC Fornier/JEC)

Já era hora de vermos alguém daqui vestindo e honrando, com raça e técnica, qualidade e esforço, a camisa do Joinville Esporte Clube. Willian Popp, 20 anos, é a mais nova esperança de gols e vitórias pra Massa Tricolor.

Nascido e criado em Joinville, torcedor assumido do JEC, Popp não teve lá suas dificuldades financeiras. Teve, na verdade, família bem estruturada e uma vida que pode se chamar de confortável. Mas quanto a isso, sequer interessa ao torcedor, que quer é saber da parte que envolve o Tricolor catarinense.

Tive o privilégio de entrevistar o Willian em 2013, ano que recebera a confirmação de que iria no próximo ano (2014) integrar o plantal de jogadores profissionais do clube. Na conversa, o atacante – que veio das categorias de base atuando como centroavante – contou que sua história com o clube começou em 2009, quando disputou o estadual infantil. Ele ficou no JEC até 2012, passando oito meses no Grêmio-RS e retornando em 2013.

4 anos na base do JEC, 3 finais catarinenses. Esse é o retrospecto que tem a revelação joinvilense. Na entrevista, ainda, Popp soltou que “jogador tem que se acostumar com as críticas, pois não é só aqui no Joinville que elas acontecem, temos (os jogadores) que estar preparados” e que espera dar muitas alegrias ao torcedor jequeano.

E foi feliz esse Popp – quase um vidente. Entrou num momento em que a torcida estava a ‘ponto de bala’ com o esquadrão preto, branco e vermelho e soube responder a pressão em campo, fazendo inclusive jus à fala sobre alegrar a maior torcida de Santa Catarina.

Mas não, não é este o ponto específico do post, que seria clichê se acabasse acima – e quem me conhece sabe que demonizo os clichês. Venho através deste, torcedor, falar que a esperança que temos ano a ano, que vem recentemente com Aldair (a eterna promessa, dispensada), Franco (bom jogador, mas a diretoria preferiu rescindir), Viana (realidade, mas infelizmente não é unânime) e Gustavo Sauer (emprestado, lesionado mas com aquele gosto de “posso mais” entalado na guela) ainda não morreu. A esperança de revelar jogadores acima da média – a Seleção é o limite, não é? Olha o nosso Ramires e o Firmino dos furões do estreito – deve sim, e agora com motivos verdadeiros, se renovar ano após ano. A nossa base é um trabalho que tende a render frutos cada ano maiores, até por sua profissionalização diga-se ‘tardia’ – recente, se comparada até mesmo aos outros de SC.

Willian, WP, Popp, WP7, Popp7, Willian Popp ou como queira, torcedor. Mas anote este nome – ele é o começo de uma nova era no Tricolor dos Tricolores.

E hoje – e só hoje – o clube do Coelho recebeu um presente de páscoa que remete à origem do feriado: a fé renovada. Não na paz mundial ou o que represente a data cristã, mas num importante trabalho que a torcida já começava – e ainda deve, sim – a questionar. Mas, pelo menos em minha análise, antes tarde do que nunca.

Saudações joinviloucas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *