Bruno Aguiar: o último jedi. Afinal, o JEC possui ídolos na história recente?

O último filme lançado da saga Star Wars conta um pouco sobre os últimos Jedi existentes no planeta terra. Com o retorno de Bruno Aguiar, podemos afirmar que ele é o último ídolo da torcida?

É o clube que ele mais jogou na carreira. Na sua última passagem era nosso capitão incontestável. Esteve no grupo que subiu com o JEC em 2014. Tem mais de 100 jogos pelo JEC. Chorou quando se despediu (mas acabou ficando). Saiu com a cabeça erguida. Depois de tudo isso, podemos classificá-lo como ídolo?

É polêmico, eu sei, mas você já parou pra pensar que a nossa torcida é um pouco carente de ídolos recentes? Jogadores que realmente são apegadas ao JEC, e não apenas aqueles jogadores que vem e vão. Tirando o Nardela (o maior de todos, incontestável), o Marcão e alguns jogadores que participaram dos títulos do Octa, fica difícil encontrar ídolos recentes. Listamos abaixo alguns jogadores que poderiam ser ídolos, mas acabaram não sendo:

LIMA

O maior artilheiro da história do JEC tem uma história de amor e ódio com a torcida. O juca Muitos ainda tem saudade e queriam que ele voltasse pro JEC, mas ele sempre teve um comportamento extra-campo que não agradou alguns torcedores.

IVAN

Um dos principais goleiros a passarem pela meta tricolor nos últimos anos saiu daqui pela porta dos fundos. Acabou brigando com o técnico Hemerson Maria na época e nunca mais foi visto nos arredores da Arena Joinville. Depois tentou voltar mas não rolou. Agora está na Chapecoense, como 3º goleiro.

EDIGAR JUNIO

Edigar foi um dos destaques da Série B em 2014, depois da lesão do Jael se destacou e nos ajudou a sermos campeões aquele ano. Parecia que ia ser maravilhoso ver o menino voando na Série A, mas o atacante voltou de empréstimo pro Atlético-PR. Em julho ele voltou ao JEC, mas já não era mais o mesmo.

JAEL

Talvez o jogador que mais tinha identificação com o JEC em 2014. Vivia colocando juras de amor e que não iria sair daqui. Acabou indo jogar na China. Depois voltou e fez aquele fiasco de perder 2 penaltis no mesmo jogo.

RAMIRES

Podemos dizer que Ramires é um ídolo? Sabemos que ele tem identificação com o clube, já falou várias vezes que gostaria de encerrar a carreira aqui… mas vocês lembram dele jogando pelo JEC? Parece que foi tão pouco tempo e há tanto tempo atrás. Bom, se ele acabar voltando, talvez possa ser considerado um de nossos ídolos.

MARCELO COSTA

O capitão do nosso último título jogou por bastante tempo aqui e era o nosso cobrador oficial de faltas. Mas acabou que o seu rendimento foi caindo com o passar dos anos e o jogador foi dispensado.

ALDAIR

Este está na lista pois queríamos que tivesse um jogador da base. Aldair jogou no JEC por um bom tempo, depois deu uma rodada em vários times menores e voltou no final de 2016 com a pinta que iria nos salvar da DISGRAÇA, mas não rolou muito. Alguns jogos ele foi bem, era o cara da zoeira, mas acabou indo embora sem deixar saudades.

E aí, você acha que o Bruno Aguiar pode ser considerado um ídolo? Faltou algum na lista? Vote abaixo ou deixe seu comentário!

Qual desses jogadores pode ser considerado um ídolo da história recente do JEC?

   Ver resultados

4 comentários sobre “Bruno Aguiar: o último jedi. Afinal, o JEC possui ídolos na história recente?

  1. Justamente o maior ídolo recente do JEC , foi sequer citado : Rafael Grampola . Dono de um futebol vistoso, ótimo chute e posicionamento , centro-avante de Ofício, algo que não vemos no JEC há algum tempo . Seu oportunismo brilhou no jogo do JEC contra o Avaí, onde finalizou entre dois zagueiros, ocorrendo, no rebote , o gol do JEC. Tem tudo para ser um ídolo histórico do JEC .

  2. O técnico do JEC , Rogério Zimmermann, acertou em tirar o Grampola do jogo contra o Avaí. Com um a menos , entendo que retirou o Grampola justamente por ele ser um centroavante (sem hífen) de Ofício, diferentemente de Thiago Alagoano . O time , com um a menos, precisava ser recomposto .

  3. O “Marcão” é o Marcos, goleiro do JEC nos anos 80 ? O melhor goleiro , na opinião deste torcedor, que já jogou no JEC chama-se Borrachinha . É muito pouco citado pela imprensa. Ele segurou o Fla de Zico no Maracanã, em 1979, dando o fim de jejum de derrotas do Flamengo. Tempo depois, foi jogar , e jogou brilhantemente no JEC.

  4. Consultando o jec.com.br , visualizo que o grande goleiro dos anos 80 , além de Borrachinha, foi o Walter , que vi pessoalmente , nos jogos no Ernestao . Tive um histórico, que foi o jogo, à época, dos Hexas, JEC e Atlético Mineiro, onde o Walter salvou uma no ninho da coruja, em falta batida naquele chute de três dedos do Nelinho, que jogava pelo Atlético Mineiro. Reinaldo , do Atlético, também jogou muito. O ano era 1986 . Nada menos que histórico .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *