As oitavas são logo ali

Não convenceu, mas o que importa é que venceu. Essa frase pode muito bem ser aplicada ao jogo da noite de ontem. O Joinville, jogando um futebol tão meia-boca quanto seu fraquíssimo elenco, conseguiu uma vitória diante do glorioso time do Comercial sul-matogrossense – aquele mesmo, do Aloísio Chulapa! – e, depois de um empate em 1×1 na casa do adversário, carimbou sua passagem à segunda fase da competição.

04052016-Sessão-do-Studio-150-16-740x493
Com direito a Bruno Aguiar perdendo um pênalti e outras cenas lamentáveis – COMO UM GOL FEITO POR EDSON RATINHO, SENHORES. EDSON RATINHO! -, é possível afirmar categoricamente: o Joinville sentiu o baque da derrota aqui na Arena, quando, em pleno Dia do Trabalhador, pouquíssimo trabalho deu ao goleiro Neto da Chapecoense e perdeu o primeiro jogo da final do Catarinense em casa com um GOL DE CABEÇA DO ANANIAS. Ponto. Refutem a hipótese de falta de vontade ou elenco rachado. É visível que o futebol do JEC só se dá devido à falta de qualidade. Agenor (o Ageneuer!) e o capitão Bruno Aguiar (que, oras bolas, é zagueiro) são pilares facilmente apontados como jogadores de Série A e possivelmente são os únicos que podem empurrar este time para um novo eventual acesso à elite do Campeonato Brasileiro. Outro que sempre citamos nos destaques do time está indo embora. O homenageado de ontem foi Anselmo, que se despediu do Joinville com, glorifiquemos, o título do returno e a classificação à segunda fase.

Digo mais: NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DESSE CLUBE, as oitavas de final foram tão acessíveis para o Joinville. Na próxima fase, pegamos o Ceará – conhecido nosso, de Séries B da vida, onde diga-se que são nossos fregueses absolutos. E, se passarmos, pegamos o vencedor entre River-PB e Botafogo-PB. Confira na imagem abaixo as datas dos jogos.

cdb

Depois disso, se passarmos, teremos um sorteio das oitavas-de-final. Aí depois, temos as quartas, as semis… e a final, é claro.

E, se tivermos empolgados, o que nos impede de ir longe? Quer dizer, é óbvio que as chances de título são pífias. Mas o que custa tentar? Ainda mais como, nesse caso, a cada tentativa acertada ganharemos com isso. É exatamente por isso que priorizar a Copa do Brasil é importantíssimo.

Avante, Joinville!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *